Discoperformance: “A FELICIDADE DO CORPO GORDO”

Discoperformance é o termo usado e pensado por mim para descrever o fruto da minha pesquisa político-artístico-cultural, e que tem como foco o protagonismo de corpos dissidentes misturado na cena, performance artística e a discotecagem de Deejay.

A Felicidade do Corpo Gordo é o terceiro produto da pesquisa que, por sua vez, vem protagonizando corpas marginais, corpas gordas, em sua maioria mulheres. Já sabemos que a pressão estética e, principalmente, a gordofobia, vem causando dores, problemas psicossociais, psicológicos e até a morte de várias dessas corpas ao longo de milênios, fomentando assim o ódio de nossa própria existência como pessoas gordas.

Porém, nessa discoperformance a gente vem mostrar o outro lado, que é a felicidade de ser gorde. Somos muito felizes gordas, temos o prazer em amar esse corpo que é tão desprezado e que nos faz sentir tão bem.

Com cenas do cotidiano, corpas gordas em cena, no dj set músicas com ritmos negros, falando e exaltando o amor ao corpo gordo, a discoperformance vem mostrar com muita alegria e ginga, como nossas corpas são bonites, potentes e felizes com todas as nossas imensas lingas, curvas e dobras.

Esse trabalho justifica-se pela potência política que os corpos dissidentes fomentam e pela representatividade necessária para esses indivíduos. É de suma importância mostrar que a pluralidade corpórea existe e resiste, dentro de uma sociedade que faz mau juízo desses corpos como ferramenta de controle e para garantir a dominação e pelo padrão normativo imposto, assim como compreender que os corpos dissidentes podem e devem estar em todos os lugares sendo respeitados e representados.

Na contemporaneidade deram-se espaços para discussões de diversas expressões corpóreas cujas expressividades carecem de uma atenção e, portanto, tem-se a necessidade de serem discutidas e pesquisadas, principalmente pelo cunho sócio-político que carrega em sua representação, sendo de extrema importância pensar sobre as reflexões políticas que os corpos dissidentes fomentam cujos signos emitem em cena bem como as imagens que emergem desses/nesses corpos.

Assista a discoperformance: “A Felicidade do Corpo Gordo”.

Publicado por DJ NANNY RIBEIRO

Primeiramente uma mana, preta, gorda, sapatão e macumbeira, todos os recortes que fortalecem a minha identidade como uma CORPA CRIATURA EM DESCONSTRUÇÃO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: